ACERVO - LOJA VIRTUAL

Nesta seção, você encontra os diversos materiais, atuais ou históricos, produzidos pelo GHEMAT ou membros e publicados em diferentes mídias. Uma infinidade de livros, cd´s, dvd´s, sobre o ensino de matemática no Brasil.

Filtros

arrow&v

PRODUTOS (consulte)

A MATEMÁTICA NO ENSINO DE FRAÇÕES: DO SÉCULO XIX À BNCC

l1.jpg

Rosilda dos Santos Morais, Luciane de Fátima Bertini e Wagner Rodrigues Valente e Cristiane Coppe e Mônica Siqueira - (Org.)

A Coleção Histórias da Matemática em estudos e no ensino, composta por 10 volumes, celebra - mesmo que à distância e frente à pandemia da COVID-19 - os 20 anos da proposta da Sociedade Brasileira de História da Matemática (SBHMat) em considerar a produção de conhecimentos acerca das aproximações entre história da matemática, história da Educação Matemática e o ensino como elementos constitutivos dos minicursos dos seminários. Com o objetivo de fortalecer as relações e interfaces que posem se estabelecer na sala de aula, articulando saberes históricos, matemáticos e interdisciplinares, os temas desta coleção são contextualizados, considerando a realidade de professores que ensinam matemática, envolvendo a educação básica e o ensino superior. Neste volume os autores nos conduzem a uma análise histórica sobre a prática de ensino para se ensinar o conteúdo matemático frações dos(as) docentes, das metodologias presentes em livros didáticos, em diferentes épocas, artigos e no documento BNCC.

Les mathématiques à l'école élémentaire (1880-1970) - estudos France-Brésil

l1.jpg

Renaud D'Enfert; Marc Moyon et Wagner R. Valente (Dir.)

A obra sintetiza resultados de projeto de pesquisa no âmbito do programa CAPES-COFECUB (Brasil-França) no desenvolvimento de estudos comparativos da presença da matemática no curso primário nos dois países.

A Aritmética, a Geometria e o Desenho - a matemática dos primeiros anos escolares

l1.jpg

Maria Cristina Araújo de Oliveira; Neuza Bertoni Pinto e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

A Aritmética, a Geometria e o Desenho são matérias que sempre estiveram presentes no ensino de matemática dos primeiros anos escolares e na formação de professores. Este livro atenta, sobretudo, para o ensino dessas rubricas, numa análise histórica que abrange finais do século XIX a meados do século passado.

A Matemática a ensinar e a matemática para ensinar

l1.jpg

Luciane de Fátima Bertini, Rosilda dos Santos Morais e Wagner Rodrigues Valente.

O tema da formação de professores, e da formação de professores
que ensinam matemática, em particular, tem
constituído, já de longa data, motivação para a realização
de numerosos estudos e pesquisas
. Também este estudo acerca-se da temática. E, em específico, analisa em perspectiva histórica a constituição de saberes envolvidos na formação de professores.
Tais saberes são considerados sob novas bases conceituais tendo em
conta saberes objetivados. Saberes que se institucionalizam ao longo
do tempo, em termos de saberes explícitos, formalizados, transmitidos
e incluídos intencionalmente na formação de professores. Essa
opção deixa de parte várias outras formas de saberes e competências
envolvidos na formação de futuros docentes tratados por outros
tipos de estudos
.
No âmbito dos diferentes estudos sobre a formação de professores
Gatti (2014) apresenta uma síntese do estado de conhecimento
sobre a formação inicial de professores nos cursos de graduação,
no qual discute aspectos convergentes nas pesquisas. Nesse rol de
aspectos alguns são os destaques dados aos saberes de formação de
professores. O primeiro deles se refere à pouca penetração das conclusões
de pesquisas na institucionalização dos cursos de formação
de professores o que, segundo a autora, contribui para a manuten-
ção da ideia de que o conhecimento disciplinar é suficiente para a formação do professor. Ela alerta para a dificuldade na tomada de
decisão sobre o que um professor deve saber para ensinar quando
não há um olhar específico para os cursos de licenciaturas.

A Matemática Dos Manuais Escolares Curso Primário, 1890-1970

l1.jpg

Iran Abreu Mendes e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

Fruto de uma pesquisa coletiva realizada pelo Ghemat, este livro contém reflexões sobre as discussões e trabalhos apresentados como respostas à pergunta enunciada no XIV seminário Temático do Ghemat, intitulado Saberes elementares matemáticos do Ensino Primário (1890-1970): sobre o que tratam os manuais escolares? Nos quatro capítulos do livro são explicitados os modos como a análise de manuais escolares converge para a temática dos saberes matemáticos envolvidos no ensino e na formação de professores. Assim, os resultados demonstram que as pesquisas se orientam por uma hipótese de fundo: a pedagogia e as diferentes vagas pedagógicas, não constituem lubrificante para o ensino de um saber invariante: a matemática. As diferentes pedagogias constroem diferentes elementares e, em consequência, reestruturam os saberes escolares. Aproximar-se mais e mais da caracterização de uma matemática intuitiva, de uma matemática sob medida- para usar termos vindos Édouard Claparéde, em sua " escola sob medida", é tarefa dos pesquisadores interessados no movimento de elaboração dos saberes elementares matemáticos.

Saberes Elementares Matemáticos em Circulação no Brasil. Dos Documentos Oficiais às Revistas Pedagógicas 1890-1970

l1.jpg

Neuza Bertoni Pinto e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

Este livro é o resultado do desenvolvimento de uma segunda fase do projeto nacional de pesquisa intitulado "A constituição dos Saberes Elementares Matemáticos: a aritmética, a geometria e o desenho no curso primário em perspectiva histórico-comparativa, 1890-1970", que conta com o apoio do CNPq, e que reúne duas dezenas de instituições e grupos de pesquisa de diversos estados brasileiros. Fruto de um coletivo de mãos e mentes de quarenta pesquisadores do GHEMAT, a presente obra sintetizada o potencial de um grupo de pesquisa - GHEMAT, que a partir de fontes históricas da escola primária brasileira, localizadas em arquivos de diferentes estados e disponibilizadas no repositório virtual do referido projeto, traz á discussão representações de uma cultura escolar ainda pouco investigada por historiadores da educação matemática. Um aspecto importante da obra e que merece destaque é a visibilidade dada as revistas pedagógicas, enquanto impresso mensageiro da representações sobre a modernização da escola, um porta voz de discursos oficiais e veiculo difusor de ideários pedagógicos em voga, permitindo novos olhares sobre a história da escola primária e os saberes elementares matemáticos e práticas que a constroem. Nessa perspectiva, os seis capítulos que compõem o livro oferecem, ao leitor, novas compreensões acerca dos dilemas e consensos que envolveram os saberes elementares matemáticos ao longo processo de consolidação dos grupos escolares no Brasil.

A matemática do colégio - livros didáticos para a história de uma disciplina

l1.jpg

GHEMAT - SP

Este DVD tem por finalidade apresentar aos pesquisadores e interessados, uma base de dados de livros didáticos destinados ao curso colegial, desde o período da estruturação desse nível escolar (década de 1930) até finais do chamado Movimento da Matemática Moderna (1980). Com esta base de dados, por certo, há possibilidade da realização de vários estudos como: as transformações e organização do saber matemático para ser ensinado no atual Ensino Médio; a introdução e supressão de conteúdos matemáticos ao longo de 50 anos; as mudanças didático-pedagógicas envolvidas no ensino da matemática para o colégio, dentre outros temas. É preciso considerar, de outra parte, que as obras estão digitalizadas parcialmente. De fato, em muitos casos haverá necessidade de consultar na íntegra os livros. Isso poderá ser feito no Centro de Documentação do GHEMAT (www.unifesp.br/centros/ghemat), depositário de toda a documentação. Como já de costume, noutras bases de dados já elaboradas pelo Grupo, a intenção é a de encurtar as distâncias entre os materiais de pesquisa e os interessados na história da educação matemática brasileira.

IV Congresso brasileiro do ensino de matemática

l1.jpg

GHEMAT - CAPES

Documentos do DVD do "IV Congresso brasileiro do ensino de matemática", produzido pelo GHEMAT em parceria com a Capes.

O Nascimento da Matématica do Ginásio

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

Para quem teve a oportunidade de ler "Uma História da Matemática Escolar no Brasil, 1730-1930 de Wagner Rodrigues Valente (1999), e tem acompanhado os trabalhos de seu grupo de pesquisa na PUC-SP, esta obra produzida a oito mãos era mais do que esperada, valeu a espera". "O primeiro aspecto a ser destacado diz respeito à importância de chamar atenção e sensibilizar a atual e futura geração de professores sobre porque deveriam conhecer a história recente do ensino da matemática. Um outro aspecto que emergiu da leitura tem a ver com o fato de que grande parte dos problemas complexos vividos pelos professores de matemática nos dias atuais têm alguma correspondência com situações vividas no passado e descritas neste estudo". "(...) merece referência especial aos capítulos que tratam da trajetória profissional e das idéias revolucionárias de Euclides Roxo, um dos pioneiros a propor que os aspectos psicológicos deveriam orientar a elaboração dos currículos. Um profissional que valorizava a intuição mais que os aspectos formais no ensino. As idéias e ações de Euclides Roxo foram deixadas de lado durante a vigência do movimento da matemática moderna, mas emergiram com seus críticos como Morris Kline e Hans Freudenthal".

AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA – história e perspectivas atuais

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

O livro percorre o trajeto seguido pela avaliação escolar em matemática no país, desde os tempos do Brasil Império até os mais recentes exames promovidos por órgãos oficiais. Os resultados de pesquisas deste grupo de autores permitem ao leitor conhecer os processos, e as modificações ao longo do tempo, dos exames preparatórios – ritual de passagem que faz parte da história de nosso último século. A obra também faz uma reflexão sobre as práticas pedagógicas evidenciadas pelas provas de admissão ao ensino secundário, desde a época de sua instituição até sua extinção na década de 1970. Além disso, traz uma análise das concepções docentes a respeito desse tema – causa de tanta controvérsia entre professores e alunos – e, finalmente, discute exames como Saeb, Enem, Provão e Sinaes, apontando novas perspectivas para a avaliação escolar em matemática.

A MATEMÁTICA MODERNA NAS ESCOLAS DO BRASIL E PORTUGAL Contribuição para a história da educação matemática

l1.jpg

Cláudia Flores / Joseane Pinto de Arruda (Org.)

O presente livro apresenta uma amostra dos estudos da matemática moderna nas escolas nas escolas brasileiras e portuguesas.Foram selecionados onze capítulos, todos inicialmente apresentados no VII Seminário Temático em Florianópolis, 2009. Os capítulos são provenientes dos resultados das investigações de pesquisadores do GHEMAT, versando sobre os modos de apropriação e circulação do ideário da matemática moderna e apresentando contribuições para o engajamento de um projeto educacional contemporâneo.

A MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO PRIMÁRIO, São Paulo, 1875-1930

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente

O livro analisa a Matemática na trajetória de formação do professor do ensino primário em São Paulo, durante o período 1875 a 1930. Constitui pesquisa de Livre Docência de Wagner Rodrigues Valente, tem Prefácio da Profa. Diana Vidal, com Apresentação da Profa. Maria Helena C. Bastos e Posfácio do Prof. Ubiratan D´Ambrosio. Publicado pela Editora Annablume, com apoio da FAPESP.

Educadoras Matemáticas: memórias, docência e profissão

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

Elas estão em diferentes cantos do Brasil exercendo o seu ofício de educar pela Matemática, dando concretude ao que chamamos de Educação Matemática. Muitas delas são pioneiras, estiveram e ainda estão na linha de frente das discussões nacionais e internacionais sobre a matemática na escola; outras, de maneira quase anônima, em meio a tantas e tantas aulas, no cotidiano das instituições, levam adiante novos projetos de ensino e novas possibilidades para a aprendizagem da Matemática. Estas profissionais mereceriam ser mais bem conhecidas, por um público mais amplo.
Por certo, um melhor entendimento do movimento da educação matemática, torna imprescindível a ciência das trajetórias dessas educadoras. Reunir uma coletânea de escritos, sobre o percurso de inúmeras mulheres de referência para a educação matemática brasileira, não tem mais – como há alguns anos atrás – o caráter de denúncia, no qual a mulher seria excluída socialmente, de um mundo dominado por uma maioria composta de homens, por matemáticos, por professores de matemática, pelo simples fato de serem mulheres. Bem ao contrário: salta aos olhos, na leitura das diferentes trajetórias, o papel das educadoras matemáticas, na conformação do próprio campo da Educação Matemática no Brasil. E, mais: as trajetórias descritas, antes de se pautarem por categorias como “mulher”, “mulheres”, fazem emergir elementos da vida privada, essenciais para a compreenção de dimensões importantes da vida pública, em termos de “gênero”: “a organização social da diferença sexual”, nos termos da historiadora estadunidense Joan Scott.
Diferentemente da representação construída sobre professoras, como missionárias, abnegadas e vocacionadas para o ensino, a trajetória de nossas educadoras matemáticas revela profissionalismo, incisiva vontade de transformação do ensino de matemática em busca de sua melhoria de qualidade. Nesse percurso, a superação de obstáculos próprios à condição feminina na vida social, de levar adiante projetos de trabalho que precisam ser conjugados com a dedicação aos filhos pequenos, às atividades profissionais dos esposos e à ruptura de preconceitos na direção de ser construída uma igualdade profissional com os homens.
Educadoras matemáticas brasileiras não são poucas. Aliás, pelo contrário, aumentam em número, progressivamente, trabalhando nas escolas de nosso imenso país. Esta obra pretende, pois, iniciar um inventário analítico destas profissionais.
Da presente obra participaram, como autores, professores e pesquisadores que manifestaram vivo interesse e entusiasmo em deixar registradas lembranças que guardaram de seu convívio intelectual com as biografadas. Esta, por certo, é a primeira etapa de construção de um livro aparentado a um Dicionário que, como qualquer outro, tende a crescer em número de biografados, de autores, de verbetes.
Inevitavelmente, este livro não poderá congregar todas elas, por diversos motivos. Espera-se que as novas edições da obra permitam incorporar aquelas que não estão nesta primeira publicação.
Por fim, é preciso ressaltar que, para além do ensejo de homenagear educadoras matemáticas brasileiras, em suas trajetórias, a obra constitui um rico banco de dados, possível de ser transformado em fontes para estudos, para a produção de novos conhecimentos para o campo da Educação Matemática.

Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores

l1.jpg

Rita Hofstetter e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

Estudos recentes revelam que as pesquisas acerca da formação de professores no Brasil e em diversos países enfatizam, desde a década de 1990, a dimensão subjetiva no modo de tratar os saberes profissionais da docência. Tal dimensão colocou em evidência o conhecimento do professor, o conhecimento discente, seus interesses e necessidades, além de aspectos socioculturais no processo de ensino-aprendizagem. Este livro trata da constituição dos saberes profissionais da docência e convida o leitor a percorrer caminhos para a compreensão de como, ao longo do tempo, foram sendo elaborados os saberes presentes no ensino e na formação de professores. A gênese desta obra advém dos estudos realizados pela Equipe de Recherche en Histoire Sociale de l'éducation (ERHISE) da Universidade de Genebra, coordenada pela professora Rita Hofstetter. Os textos selecionados e traduzidos, sob a supervisão de Wagner Valente, revelam-se como fundamentais à compreensão de ideias e modelos que circulam em escala planetária no campo educacional e, seguramente, contribuirão para enriquecer e ampliar o debate sobre a formação de professores no Brasil.

CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, CAMPOS DISCIPLINARES E PROFISSIONALIZAÇÃO: SABERES EM DEBATE PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org)

Dedicada à questão da profissionalização do ensino e da formação profissional de professores, esta obra coletiva reúne textos de autores do Brasil, França e Suíça que discutem as ligações complexas e às vezes tensas entre três campos do conhecimento: primeiro, o campo do conhecimento disciplinar (matemática, história etc.) produzido por várias comunidades científicas e que serve de base para certas disciplinas escolares (ensino de matemática, história etc.); em segundo lugar, o campo dos conhecimentos das ciências da educação (didática, pedagogia, psicologia, sociologia da educação etc.) que se integram na formação dos professores e que se destinam a prepará-los para o exercício da profissão; e, em terceiro lugar, o domínio do conhecimento profissional que reúne os conhecimentos, habilidades e padrões mobilizados pelos professores em suas atividades profissionais reais.

Cadernos de Trabalho - 10 Volumes (Português)

l1.jpg

Autores diversos.

Vol. 1 - Elementar - Wagner R. Valente Vol. 2 - História Comparativa - Viviane R. Maciel e Wagner R. Valente Vol. 3 - Repositório - David Antonio da Costa Vol. 4 - Método - Marcus A. de Oliveira; Marcos D. Guimarães e Moysés G.S.Filho Vol. 5 - Prática - Maria Célia L. da Silva; Mariliza S. Portela e Neuza Bertoni Vol. 6 - Testes - Nara Vilma. Pinheiro e Wagner R. Valente vol 7 - Formação de Professores - Maria C.A. de Oliveira e Martha R.I. Santana da Silva Vol. 8 - Paris - Elisabete Z. Búrigo; maria Cristina A de Oliveira; Martha R. I.Santana da Silva; Marcos Denilson Guimarães Vol. 9 - Imagem - Cláudia Regina Flores vol. 10 - Programas de Ensino - Aparecida Rodrigues Silva Duarte; Ivanete B. dos Santos; Iran Abreu Mendes e Márcia Maria A. de Assis.

I ENAPHEM - Encontro Nacional de Pesquisas em História da Educação Matemática

l1.jpg

Santana, Claudinei de Camargo; Valente, Wagner Rodrigues

Anais do 1º Encontro Nacional de Pesquisa em História da Educação Matemática - 2012

Saberes matemáticos no curso primário: o que, como e por que ensinar? Estudos histórico-comparativos a partir da documentação oficial escolar.

l1.jpg

David Antonio da Costa e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

Que trajetórias de constituição tiveram a Aritmética, a Geometria e o Desenho para os primeiros anos escolares? Ou, dizendo de outro modo: como foram organizados/reorganizados os saberes elementares matemáticos para estarem presentes na escola graduada?
Como o "modelo grupo escolar" , difundindo a partir de São Paulo, constituiu/reconstituiu saberes elementares matemáticos em diferentes pontos do Brasil?

Os Exames de Admissão ao Ginásio 1931 - 1969

l1.jpg

GHEMAT - SP

Documentos do DVD "Os Exames de Admissão ao Ginásio 1931 - 1969",

Euclides Roxo e a modernização do ensino da matemática no Brasil

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

Este livro reúne estudos que retratam a educação matemática na passagem do século XIX para as primeiras décadas do século XX, época em que ocorre o primeiro movimento de internacionalização da matemática escolar. Sem assumir caráter biográfico, o texto tem valor fundamental para a história da educação ao investigar o papel do professor Euclides Roxo na condução da matemática, disciplina por ele criada no Colégio Pedro II e transformada em um dos componentes curriculares principais da primeira reforma do ensino brasileiro.

Ubiratan D'Ambrosio

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

Este livro reúne algumas facetas do Professor Ubiratan D´Ambrosio. Especificamente, a obra, escrita por muitas mãos, retrata o personagem em sua atuação profissional. A multiplicidade dessa atuação ensejou olhares sobre o matemático, o etnomatemático, o historiador da matemática, o educador matemático o professor e o orientador de pesquisas. Os autores da obra têm aproximações as mais variadas com o Professor D´Ambrosio. Assim, o texto não constitui propriamente uma biografia, mas escritos feitos por discípulos, por admiradores da produção intelectual de D´Ambrosio e por historiadores debruçados sobre um personagem emblemático para a história contemporânea da educação no Brasil. O livro, em sua parte final, traz o Inventário Sumário do APUA - Arquivo Pessoal Ubiratan D´Ambrosio, que descreve o conteúdo de mais de 500 pastas com documentos reveladores da trajetória profissional de D´Ambrosio.

OSVALDO SANGIORGI – um professor moderno

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

Temos certeza de que esta obra representa uma contribuição valiosa para o avanço da pesquisa sobre a história da educação matemática no Brasil e para que a memória dos muitos que nos precederam na construção dessa história permaneça viva entre nós. A leitura dos textos que compõem este livro mostrará certamente e de maneira clara o porquê de minha emoção ao escrever esta Apresentação, bem como, espero, a influência que Osvaldo Sangiorgi teve, mesmo sem, talvez, se dado consciência plena disso, na minha vida e na de tantos outros professores de matemática. No primeiro capítulo do livro, “Osvaldo Sangiorgi: um best-seller”, Wagner Rodrigues Valente trata, utilizando como fontes o Arquivo Pessoal de Osvaldo Sangiorgi e os Arquivos da Cia. Editora Nacional, da obra do nosso personagem em termos de seus livros didáticos, lembrando exatamente o alcance e a aceitação dessa produção. Elizabete Zardo Búrigo, no capítulo seguinte, “A modernização possível e necessária da matemática escolar segundo Osvaldo Sangiorgi”, analisa os livros editados nos anos 50 e os elaborados durante a fase da matemática moderna, estabelecendo uma comparação entre os conteúdos abordados em cada um deles.O texto “A geometria escolar moderna de Osvaldo Sangiorgi”, de Maria Célia Leme da Silva, estuda a geometria “moderna” elaborada pelo autor para seus livros didáticos, enquanto, no capítulo seguinte, “A matemática dos cursos do GEEM e a formação dos professores”, Flainer Rosa da Silva e Laurizete Ferragut Passos tratam do GEEM e dos cursos de formação de professores que ofereceu ao longo de sua existência. O texto de Neuza Bertoni Pinto, “Na sala de aula com Osvaldo Sangiorgi”, apresenta as memórias da autora sobre a utilização do livro de Sangiorgi no interior do Paraná nos anos 60. O capítulo intitulado “Sangiorgi e o Fracasso da Matemática Moderna”, de Viviane da Silva e Wagner Rodrigues Valente, analisa, a partir do arquivo pessoal de Sangiorgi, como este professor interpretou o livro de Morris Kline. Finalmente, na parte final da obra, está presente o Inventário Sumário do “APOS – Arquivo Pessoal Osvaldo Sangiorgi”, guia fundamental para ser utilizado por pesquisadores e interessados na Educação Matemática da segunda metade do século XX. (trechos da Apresentação escrita pela professora Regina Pavanello)

O MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA: HISTÓRIA DE UMA REVOLUÇÃO CURRICULAR

l1.jpg

Maria Cristina Araújo de Oliveira, Maria Célia Leme da Silva e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

A obra é fruto de trabalho coletivo dos pesquisadores do GHEMAT. Nela estão aspectos relativos aos personagens participantes do Movimento, as suas implicações político-educacionais, a organização de um novo currículo para o ensino de matemática, a discussão de uma nova matemática para crianças, novos conteúdos de ensino dentre outros aspectos.

EXPERTS - saberes para o ensino e para a formação de professores

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente, Cilene Maria Lima Antunes Maciel, David Antonio da Costa e Laura Isabel Vasconcelos (Orgs.)

Não há momento nestes tempos de pandemia que não estejamos ouvindo e prestando muita atenção à fala dos experts. O contexto do coronavírus colocou holofotes bem acesos em todos os epidemiologistas, infectologistas e profissionais da saúde; são eles os experts dando entrevistas a todo tempo, mas também trabalhando ativamente nas agências sanitárias, nos laboratórios de produção de vacinas e em tantos outros espaços. Esta obra, no entanto, trata
dos experts em educação. Personagem chamado a opinar, dando diretivas aos governos sobre o modo de conduzir os sistemas escolares nacionais, que surgem desde meados do século XIX, pelo menos. Figura pouco estudada nos estudos brasileiros, os experts em educação revelam-se atores fundamentais para compreensão
dos processos e dinâmicas de elaboração de novos saberes para o ensino e para a formação de professores, oficializados em documentos curriculares. Na análise histórica nacional e internacional contida neste livro tem-se resultados que poderão em muito contribuir para o entendimento de como são sistematizados novos saberes, tendo em conta as ações dos experts, que se movimentam numa dada conjuntura política, social e econômica, no âmbito das relações travadas entre campos disciplinares e profissionais.

Materiais Didáticos e História da Educação Matemática

l1.jpg

Ivanete Batista dos Santos, Elisabete Zardo Búrigo e Wagner Rodrigues Valente

Este livro se soma ao conjunto de obras coletivas elaboradas por pesquisadores do GHEMAT Brasil - Grupo Associado de Estudos e Pesquisas sobre História da Educação Matemática (ghemat-brasil.com). Depois de tratar da legislação escolar, das revistas pedagógicas, dos livros didáticos, das provas e exames de matemática, dos cadernos de alunos e professores, o Grupo voltou a atenção para os materiais didáticos, expressão ampla que designa o conjunto de dispositivos associados ao ensino escolar, em diferentes épocas, com vistas ao melhor trato da matemática nos anos iniciais e na formação dos futuros professores.

Aritmética, a pedagogia moderna e a Formação de professores (1870-1920) - VOL. 10

l1.jpg

Marcus Aldenisson de Oliveira e Wagner Rodrigues Valente

20 Anos de SBHMat! A Sociedade Brasileira de Historia da matemática (SBHMat), fundada em 30 de março de 1999, completou 20 anos e as comemorações ocorreram durante a realização do XIII Seminário Nacional de História da Matemática (SNHM).
Para a consecução de seus fins, a SBHMat implantou, a partir de 2001, uma série de textos decorrentes dos minicursos apresentados nos seminários, este ano denominada de Série História da Matemática e da Educação Matemática para o Ensino, além de dar maior significado aos minicursos, possibilita acesso a alunos e professores uma diversidade de temas que representam os avanços sobre História e Educação.
Os textos publicados no XIII SNHM são independentes e referências sobre as temáticas abordadas no evento, que podem contribuir para o desenvolvimento das áreas História da Matemática e História da Educação Matemática, com enfoques à formação de professores.

Circulacao E Apropriacao De Saberes Elementares Matematicos No Ensino Primario No Estado Do Parana 1903-1971

l1.jpg

Neuza Bertoni Pinto, Barbara Winiarski Diesel Novaes (Orgs.)

Na história da educação brasileira, a compreensão do processo de constituição dos saberes elementares matemáticos das escolas primárias de diferentes regiões de nosso imenso país tem se apresentado como amplo desafio e tema instigante para os inúmeros pesquisadores do GHEMAT Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática, envolvidos no projeto nacional, A constituição dos saberes elementares matemáticos A AritmEtica, a Geometria e o Desenho no curso primário em perspectiva histórico-comparativa, 1890-1970 CNPQ - Edital Universal 142012. Parte dessa pesquisa se deve aos projetos locais, desenvolvidos em programas de pós-graduação de vários estados, dentre outros, o projeto paranaense1 que durante três anos inventariou fontes locais e produziu dezenas de estudos acerca da presença, permanência e mudança das variadas gerações de conhecimentos que forneceram a base do ensino primário paranaense desde a implantação dos grupos escolares. Os capítulos que compõem o presente livro expressam a preocupação dos autores em compreender como esses saberes escolares circularam e foram apropriados no ensino primário do estado, em tempos da vigência dos grupos escolares. Reunindo e disponibilizando documentos inEditos acerca do ensino primário do estado, a presente obra traz a público aspectos, ainda pouco investigados acerca dos saberes elementares matemáticos, destacando as finalidades e organização dos conteú- dos, os mEtodos utilizados, dentre outros. Resultado de um esforço coletivo.

Cadernos escolares e a escrita da história da educação matemática

l1.jpg

Diogo Franco Rios, Elisabete Zardo Búrigo, Maria Cecília Bueno Fischer, Wagner Rodrigues Valente

Essa produção ensejou a publicação de obras-síntese resultantes dos estudos apresentados em Seminários Temáticos do GHEMAT. Esses estudos têm explicitado o desenvolvimento do projeto coletivo de pesquisa intitulado "A Constituição dos Saberes Elementares Matemáticos: a aritmética, a geometria e o desenho no curso primário em perspectiva histórico-comparativa, 1890-1970", que obteve auxílio do CNPq por meio de Edital Universal, reunindo grupos de pesquisa de cerca de vinte estados brasileiros. A presente obra soma-se a esses resultados já obtidos. Desta feita, tendo em conta cadernos escolares com registros de aulas de matemática. O livro foi elaborado a partir de enorme esforço de organização de um banco de dados com cadernos escolares. No processo de escrita desta obra, tomaram-se os estudos apresentados no XV Seminário Temático de Pelotas, RS, realizado entre os dias 29 e 30 de abril e 1o de maio de 20173. No total, o encontro reuniu cerca de 80 trabalhos resultantes de estudos históricos tendo em conta o uso de cadernos escolares com registros de aulas de matemática como fontes para as pesquisas. Na análise dos cadernos com vistas à história da educação matemática, os capítulos buscaram ter em consideração a complexidade desse dispositivo escolar. E, neste caso, a escrita do Capítulo 1 desta obra trouxe reflexões fundamentais para os pesquisadores e interessados em lançar mão de cadernos escolares para a escrita histórica. Cadernos escolares como fonte e objeto da História da Educação é o título do primeiro capítulo, no qual a pesquisadora Eliane Peres4 atenta para o fato de que um "caderno não é apenas um objeto, não é somente um suporte de registro, mas sim um dispositivo de aprendizagem gráfica, que permite à criança (ou ao adulto em processo de aprendizagem) entrar nas múltiplas funcionalidades sociais da escrita". Desse modo, ao pesquisador, cabe atentar para a complexidade da leitura desses objetos/fontes, que não apenas registram e revelam traços de práticas.

A educação matemática na escola de primeiras letras 1850 - 1960 - um inventário de fontes

l1.jpg

GHEMAT - SP

Para além do desenvolvimento de projetos de pesquisa cujo foco é a história da educação matemática brasileira, o GHEMAT – Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática considera fundamental a organização de inventários de fontes. É recorrente a informação sobre a falta delas para o conhecimento de cotidianos passados do ensino de matemática. Em realidade, a documentação existe, e em número surpreendentemente grande, mas não está organizada para a pesquisa. Trabalho árduo, que envolveu vários pesquisadores, este DVD tem o propósito de apresentar a digitalização de materiais relacionados à educação matemática nos primeiros anos da escolaridade. Revistas pedagógicas, livros didáticos, manuais de ensino, provas de alunos e legislação escolar constituem a base dessa documentação. O material apresentado visa encurtar a distância dos pesquisadores aos documentos do ensino primário, a partir do uso de digitalizações. Claro está que se trata de um levantamento parcial, considerando-se a existência de uma infinidade de documentos, relativa ao ensino primário, espalhada por todos os cantos do país. Além disso, o material aqui digitalizado diz respeito, em alguma medida, à escola paulista, embora inclua outros estados brasileiros. Tome-se essa contribuição do GHEMAT como mais uma iniciativa que intenta motivar pesquisadores a não deixarem para segundo plano os documentos que encontram e utilizam em seus projetos. As fontes, para a pesquisa, são preciosas. Preciosas, ainda, são a organização e disponibilização dessas fontes para a comunidade interessada nos caminhos seguidos pelo ensino de matemática que chegam aos dias atuais.Documentos do DVD "A educação matemática na escola de primeiras letras 1850 - 1960 - um inventário de fontes", produzido pelo GHEMAT em parceria com a FAPESP.

Coletânea de documentos - arquivo escolar do Colégio Pedro II

l1.jpg

GHEMAT - CNPq

No texto “Cultura e práticas escolares: uma reflexão sobre documentos e arquivos escolares”, a historiadora da educação Diana Vidal percorre sinteticamente a trajetória teórico-metodológica que leva os estudos históricos sobre educação, a considerar contemporaneamente o papel dos arquivos escolares. Vidal ressalta, de início, que: (...) a investigação histórica em educação no Brasil, especialmente a partir dos anos 1990, vêm se interrogando acerca da propriedade em conceber escola como produtora de uma cultura própria e original, constituída e constituinte, também, da cultura social. (2004, p.1). Isso posto, a autora destaca que emergem temas para investigação como “a constituição do currículo, a formação das disciplinas escolares, o cotidiano institucional, o exercício diário de professores e professoras, alunos e alunas, a materialidade da escola e os recursos metodológicos” (p.2). A partir dessas temáticas de pesquisa tornam-se necessários, para o trabalho historiográfico, dois tipos de investimentos: um deles, o de balizamento teórico; o outro, (...) se endereça a localizar, sistematizar, organizar, socializar e problematizar as fontes para a pesquisa em história da educação.Documentos do DVD do "Coletânea de documentos - arquivo escolar do Colégio Pedro II", produzido pelo GHEMAT em parceria com a CNPq.

Uma História da Matemática Escolar no Brasil ( 1730-1930 )

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

Este livro ilustra a importância e a rapidez da circulação das idéias, dos métodos e das publicações em matemática ao longo dos séculos XVIII e XIX. O Brasil não constitui exceção nesse aspecto. Existe de fato, durante esse período um espaço intelectual internacional muito mais homogêneo e muito menos desigual geograficamente que cremos freqüentemente, mesmo se isso diz respeito a uma ínfima minoria da população. Mostrando, a partir do caso das matemáticas escolares no Brasil, como se constitui esse espaço e como ele evolui, o livro de Wagner Valente é uma contribuição não somente à história da educação brasileira mas, também à história internacional das idéias e práticas pedagógicas.

A Matemática moderna nas escolas do Brasil e de Portugal: Primeiros estudos

l1.jpg

Wagner Rodrigues Valente (Org.)

As pesquisas sobre história da educação, entre as décadas de 1950 a 1980, revelam importantes transformações ocorridas no ensino da Matemática. Duas equipes de investigadores - uma brasileira e uma portuguesa - trabalham em conjunto no desenvolvimento do projeto de pesquisa “A matemática moderna nas escolas do Brasil e de Portugal: estudos históricos comparativos”. Esta obra divulga os primeiros frutos do projeto.

NA OFICINA DO HISTORIADOR DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA - Cadernos de alunos como fonte de pesquisa

l1.jpg

Maria Célia Leme da Silva e Wagner Rodrigues Valente (Org.)

A obra trata do uso de materiais escolares de outros tempos, sobretudo cadernos escolares, como fontes de pesquisa para a história da educação matemática. Com Prefácio da Profa. Lucília Bechara Sanchez, o livro tem por capítulos: “O GHEMAT e a história da educação matemática”, “Por uma história cultural da educação matemática”, “Sobre a utilidade da história da educação matemática”, “O caderno como produto da cultura escolar: lugar de lições e exercícios”, “O caderno do ensino primário e as aulas de matemática”, “O caderno de matemática e a leitura dos movimentos de internacionalização da Matemática escolar no Brasil”.

A MATEMÁTICA MODERNA EM CONTEXTOS IBERO-AMERICANOS

l1.jpg

José Manuel Matos e Wagner Rodrigues Valente (Orgs.)

O livro “A Matemática Moderna em contextos ibero-americanos” organizado por José Manuel Matos e Wagner Rodrigues Valente, publicado em Lisboa, pode ser obtido gratuitamente por download através do endereço:

Documentos históricos em formato digital sobre o ensino da matemática podem ser acessado em nosso Repositório de Conteúdo Digital - RCD

RCD

O Centro de Documentação do GHEMAT-SP reúne documentação física de pesquisa do Grupo. O material está à disposição, para consulta pública, de pesquisadores e interessados. Dentre os documentos encontram-se os acervos pessoais de diversos professores. As visitas são agendadas.

Centro de Documentação